terça-feira, 31 de dezembro de 2013

FELIZ 2014

        Não quero e não preciso que o ano seja novo, afinal os dias são os mesmos sempre (em si falando de tempo e espaço), mas espero que eu mesmo os aproveite de uma forma nova; preciso fazer algumas realidades serem diferentes. É o que posso fazer, tentar! De qualquer forma, FELIZ ANO NOVO PARA TODOS! Não desejo tudo, seria ilusão, mas desejo que reconheçamos a presença de Deus caminhando conosco, e n'Ele, tenhamos coragem de construir o que for possível; pois algumas coisas não serão possível e isto não é negativo. Sim, desejo também que aprendamos a nos amar, a valorizar nosso próprio eu e também os outros, não tenhamos vergonha e nem medo de nós mesmos, de nossas luzes e trevas, pois o Senhor nos ama como somos. E só pela via do amor poderemos crescer e ficar mais maduros. Pronto, FÉ E AMOR, não haverá ano novo que resista a esta jornada, ele será satisfatório, nunca perfeito. Sim, podemos ser felizes na via da verdade de Deus, termino assim: FELIZ VIDA EM 2014.

Pe. Rômulo Azevedo da Silva

segunda-feira, 23 de dezembro de 2013

VOZ DOS SANTOS, VOZ DA IGREJA


          "Reconheçamos o verdadeiro dia e tonemo-nos dia! Éramos, na verdade, noite quando vivíamos sem a fé em Cristo. E uma vez que a falta de fé envolvia, com uma noite, o mundo inteiro, aumentando a fé a noite veio a diminuir. Por isso, com o dia de Natal de Jesus nosso Senhor a noite começa a diminuir e o dia cresce. Por isso, irmãos, festejemos solenemente este dia, mas não como os pagãos que o festejam por causado astro solar, mas festejemo-lo por causa daquele que criou este sol. Aquele que é o Verbo feito carne, para  poder viver, em nosso benefício, sob este sol; sob este sol com o corpo, porque o seu poder continua a dominar o universo inteiro do qual criou também o sol. Por outro lado, Cristo com o seu corpo está acima deste sol que é adorado - pelos cegos de inteligência - no lugar de Deus que não conseguem ver como verdadeiro sol de justiça".

Santo Agostinho de Hipona

quarta-feira, 18 de dezembro de 2013

POUCAS PALAVRAS, GRANDES ASSUNTOS - 78


       Quando eu escrevo não quero fazer sucesso, não quero receber elogios, muito menos quero que todos concordem com o que digo. Quem me conhece de verdade, e há amigos que caminham comigo, sabe que o ato de escrever para mim é uma partilha, um diálogo, uma oração... Acredito que o presente mais importante que podemos dar ao outro é o que de mais próprio e rico temos, nós mesmos. Entregar objetos é fácil e passageiro, fazer a oferta do próprio coração não só é um desafio, mas também é uma jornada para guerreiros, ou até para loucos. Assim eu vou fazendo doação de mim mesmo, em cada linha um pouco do meu sangue e de minha história. Talvez seja o meu jeito de dizer o quanto vocês, meus familiares e amigos, são importantes. Se não consigo fazer-me presente de outras maneiras faço-me colocando a minh'alma. Ela, como a de todo ser humano que ainda não foi assumido pelas trevas, acredita no amor.

Pe. Rômulo

sábado, 14 de dezembro de 2013

POUCAS PALAVRAS, GRANDES ASSUNTOS - 77


    Olhamos para a beleza do universo e ficamos encantados. Desenvolvemos uma certa curiosidade e nos perguntamos se há vida em outros planetas, se estamos sós ou não, se há mais realidade para descobrirmos. Tudo isto é realmente encantador! Numa noite estrelada sempre nos perguntamos um pouco mais, e quem tem uma alma poética vai longe, até sente a força do mundo retorcendo tudo por dentro. Acredito, porém, que o mais espetacular não é termos a certeza de realidades fora de nós, o mistério do mundo sempre continuará, nunca saberemos tudo, graças a Deus! O mais espetacular é olharmos tudo o que há em nós, nossas escuridões e luzes, e chegarmos à conclusão que tudo é muito bonito também. Fazemos parte da obra maravilhosa da criação. Não percamos a esperança!

Pe. Rômulo

terça-feira, 26 de novembro de 2013

POUCAS PALAVRAS, GRANDES ASSUNTOS - 76


    Todo relacionamento é uma bênção e um desafio, fugir deles é uma bobagem. Se fala tanto de falsidade hoje, na verdade deveríamos falar da beleza de uma amizade verdadeira. Por mais que seja difícil, um amigo é um pouco da terra prometida, é experimentar um anjo sem ter visto um descendo do céu, é ter uma voz ao seu lado que diz: "você é importante"! Para mim a amizade sincera é muito mais do que podemos dizer. Quem tem um amigo de verdade tem a oportunidade de experimentar um pouco da essência do amor, do amor que não precisa nem ser explicado. Que saibamos viver este amor nos nossos amigos e com os nossos amigos.

Pe. Rômulo

sábado, 16 de novembro de 2013

POUCAS PALAVRAS, GRANDES ASSUNTOS - 75

         

        Coloquei uma postagem no meu face sobre uma cantora que veio de uma outra família para o catolicismo. A intenção foi realmente só ver um pouco a reação das pessoas. Acho engraçado algumas coisas, por exemplo, nós católicos somos obrigados a respeitar todos, e quando colocamos um comentário qualquer estamos errados e vamos para as profundezas do inferno. Qualquer católico tem o direito de sair de sua igreja e ir para outra, e isto é digno aos olhos da crítica, mas um cristão de outro lugar não pode vir pra cá que está errado e também vai para o inferno. Também não sou a favor de brigas, muito menos de disputas, e quem me conhece sabe que prego contra isso. Só queria deixar uma pergunta no ar: a experiência cristã caminhou mais de 15 séculos sob a bandeira do catolicismo e ortodoxa, será que foi preciso haver a revolução protestante nos últimos 05 séculos para poder ir gente para o céu? Todos os que viveram antes estão errados e condenados? Ninguém prestou, ninguém fez a vontade de Deus ou viveu a Palavra? Então posso dizer que Jesus falhou! Claro, se quem viveu durante 15 séculos foram condenados, quem salvou não foi Jesus mas o protestantismo. Durante 15 séculos Jesus não teve  poder nenhum, não salvou sequer os que viveram em seu século. Então sua Paixão, Morte e Ressurreição ficou incubada, não teve poder imediato. Ora, tenham santa paciência. Muitos protestantes e católicos vão se encontrar no céu e um monte de besta dos dois lados vão ficar chupando o dedo do lado de fora, simplesmente porque não souberam acolher o outro. O que é a verdade? Uma instituição religiosa ou a bondade, o respeito, o perdão, a humildade e todas as outras características do coração de Deus tão bem mostrado por Jesus?
        Esta história de que os católicos não leem a Bíblia e que não sabem de nada, são um bando de enganados é algo deplorável. Mais uma vez quero que pensem. Então até os cristãos do primeiro século estavam errados, somente os dos últimos 05 séculos sabem o que dizem. Mas só quero lembrar que foram os primeiros cristãos que escreveram a Bíblia fruto de suas experiências com Jesus Cristo; no meio deles estavam muitos dos cristãos católicos que nós chamamos de santos. E agora? Está na hora de respeitar mais, enquanto estamos brigando para ver quem tem razão o mal avança e juntos destruímos a natureza, a casa que Deus nos deu para morar; e fazemos outros males maiores. Mas somos cristãos, em nome de Jesus, temos a verdade. Deus tenha misericórdia!

Pe. Rômulo

quinta-feira, 14 de novembro de 2013

UMA OPINIÃO SOBRE DROGAS


     Estava vendo a TV Aparecida ontem, dia 13/11, e fiquei abismado com uma reportagem que estava sendo exibida sobre drogas. Foi uma matéria muito bem feita e, cada vez mais, nos colocou diante do grande perigo e problema que temos em nosso país com as drogas. Elas entram de pouco a pouco, começa com um cigarro "inocente", uma cervejinha no final de semana e por aí vai. Tenho visto o desastre que as drogas fazem no seio da família e de uma comunidade. Não é meu objetivo neste pequeno texto promover uma análise científica ou trazer dados aprofundados sobre o assunto. 
      Contudo, como padre e ouvindo as pessoas, tenho visto e presenciado o desastre que as drogas têm provocado na vida, na história e no coração das pessoas. Família destruídas e separadas, sem condições sequer de se alimentar com dignidade, pais perdidos e filhos decepcionados e sem um rumo. Tudo porque a droga consume até o último suspiro de existência que há na alma humana. Ele nunca pára, nunca está satisfeita, tira até o que não se tem mais.
      Até hoje nunca vi uma criança ou um jovem com raiva dos pais porque não lhe deram ouro ou prata, mas o que mais tenho encontrado são corações, até adultos, que não são felizes ou não se sentem completos ou seguros, porque tiveram suas vidas massacradas pela convivência com as drogas dentro de casa ou em suas próprias vidas.
Disse a reportagem que temos em torno 400 milhões de usuários no Brasil, só de crack, isto mesmo, só de crack, fora as outras drogas. E o mais triste, 90% são adolescente e jovens. Os especialistas entrevistados, psicólogos, professores e psiquiatras, disseram que já é tido como uma epidemia crítica o índice do Brasil, um vírus mortal que alastrou-se, especialmente, no fenômeno adolescência e juventude. Outro estudo mostra que de cada 100 jovens que morrem no Brasil, 82% é por causa de drogas ou bebidas alcoólicas.
     Como disse só queria jogar o fato, cada um pense e avalie o que faz o governo, o que faz a mídia ou o que estamos fazendo. Quem nos ajudará, quem nos salvará? O governo marcado pela corrupção, o imposto que pagamos na sua maioria desviado, o Brasil sem líderes e políticos justos e apaixonados pelo povo brasileiro, só pensam no seu bem estar, as religiões marcadas pelo comércio e lucro, pelo fanatismo religioso e pela disputa de número e poder, as famílias jogando cada vez mais no lixo as virtudes humanas e cristãs, a mídia e a TV impondo tudo de mansinho, aos poucos nos diz o que acreditar, o que vestir, como ser e o que jogar fora. É triste ver uma mídia dominada pelos interesses de grupos pequenos que só querem dominar e ganhar. As faculdades só se preocupam em conteúdo e defender a visão de educadores que não sabem fazer pensar mas só vivem para criticar; se fala mais de quem está errado nisso, quem está errado naquilo, quem errou no passado e ninguém pensa no que estamos errando agora e no poder que temos para mudar tudo e não estamos usando bem. Só se diz transe, compre, consuma, seja livre (libertinagem), seja de qualquer jeito ou forma, seja feliz! Muito bem, seja feliz Brasil, seja feliz vendo seus milhões de adolescentes e jovens matando-se ao pouco, justamente porque seguiram a moda, correram em busca desta maldita felicidade e, pouco a pouco, morrem porque não encontraram. SEJA FELIZ BRASIL! SE MUITOS SE SENTEM FELIZES COM ISTO EU QUERO DECLARAR QUE SOU INFELIZ! E sou mais infeliz porque também eu faço pouco, pelo menos quero ajudar a pensar. Mas também este texto vai ser pouco lido, nosso blog não tem moídos  políticos e nem violência, é apenas um blog de palavras. Deus nos conduza a todos e tenha misericórdia de nós.

Pe. Rômulo Azevedo da Silva  

sexta-feira, 1 de novembro de 2013

VOAR


A vida tem muitos momentos
e sempre eles vão chegar
Um dia nós estamos felizes
e tristes pra varear
Sem isto não temos vida
talvez, olha lá, um vegetar.

Não tenho medo deles
muito menos de partilhar
Queria hoje ter asas
pra longe poder voar
Talvez pousar em novas árvores
e energias puras buscar

De Norte a Sul eu iria
Leste e Oeste também
Ouvir, quem sabe o silêncio!
buscar o Eterno Bem
A paz, é o que todos querem
pois eu a busco e digo, vem!

Eu fico me perguntando:
por que o homem quer ter
poder, dinheiro e prestígio,
em cima do outro vencer?
Tudo manchando com isto
diabolizando seu ser.

Disto eu quero fugir
não tenho vergonha de confessar
Com esta batalha eu não posso
está em todo lugar
Até a pátria que é santa
se deixa atrapalhar

Não, não tenho o que dizer
nem mesmo eu tenho poder
Mudar alguém eu não posso
nem mesmo o meu próprio ser
mas uma atitude eu tomo
voar de perto pra não me corromper

Não é fugir, é silêncio
é dizer, não quero não
Se eu não posso transformar
também não fico em comunhão
Não condeno ou julgo ninguém
apenas assim, quero não.

Pe. Rômulo Azevedo da Silva


segunda-feira, 28 de outubro de 2013

POUCAS PALAVRAS, GRANDES ASSUNTOS - 74


    Não pense que sua vida acabou, mesmo que você tenha uma boa estrada percorrida. Sua vida pode estar apenas começando. E ela vai começar realmente quando tivemos a coragem de fazer opção pelas realidades simples. Veja com calma, o verdadeiro poder e o maior dos mistérios está nas mãos dos simples e humildes.

Pe. Rômulo

segunda-feira, 21 de outubro de 2013

POUCAS PALAVRAS, GRANDES ASSUNTOS - 73


     Fé é sempre um caminho, uma jornada cheia de encantos e desafios. Não há uma verdadeira fé se não houver transformação. Não posso dizer que tenho fé se vivo numa vida tranquila, numa paz acomodada, sem preocupar-me com o que está ao meu redor. Quem tem fé, pode até não fazer muito, pode até não ter como fazer muito, contudo não deixa de viver incomodado, no bom sentido. Vive em paz quem tem fé, pois Deus nos fortalece e preenche de luz e esperança,  mas é uma paz inquieta, como diz Pe. Zezinho em algumas de suas músicas. Fé é resposta a um amor que nos chama a viver segundo um tipo puro de amor. Assim, mesmo que não queiramos, fé cobra de nós, e quando não sentimos em nossos corações o desejo de fazer algo já nos tornamos mornos, indiferentes. Quem tem fé sempre sente o seu coração arder, sente uma voz silenciosa e que doe sem doer nos chamando: "está na hora de fazer algo"! Deus nos ajude a ouvirmos bem e respondermos com coragem. Deus transforme a minha acomodação em incômodo fértil. Amém!

Pe. Rômulo 

sexta-feira, 18 de outubro de 2013

OS VERDADEIROS TESOUROS DA IGREJA


       A vida é dinâmica, não para, e nesta dinamicidade somos visitados por notícias boas e notícias ruins. Como cristãos somos convidados a ter esperança, a vermos a mão de Deus em tudo. Mas como criaturas sentimos e sofremos. Acredito que dizer adeus é uma das realidades mais difíceis da vida humana. É, porém, nesta hora que a fé nos socorre. Somos convidados a ver além das aparências e acreditar no que Jesus nos prometeu. Ver alguém partir é ruim, somente quando acreditamos no que vivemos de verdade podemos suportar e encontrar um sentido em tudo. Pela fé deixamos de reclamar e passamos a agradecer pelo tempo vivido, pelas experiências adquiridas. É o que desejo fazer aqui.
   Encontramos no mundo de hoje vários meios, instrumentos e pedagogias de avaliação. Geralmente pegamos as mais fáceis, quantidade, número, lucro, etc. Até as pessoas estão sendo avaliadas assim. As instituições são avaliadas assim. Acabamos de viver aqui em Santana do Seridó a Festa da Padroeira. Algumas pessoas me perguntam logo quando rendeu financeiramente. Na verdade eu aprendi, e desejo mais ainda, olhar o povo, a participação, reconhecer as graças do Senhor em nossas vidas. Mas este texto não é para falar em Festa de Padroeiro, tomei em minhas mãos este exemplo para falar de algo mais importante.
        Algumas pessoas olham o que está fora, o que se tem. Em relação à Igreja se diz: "a Igreja é rica"! Há uma briga sobre tudo isto. Para mim é simples. A Igreja é rica mesmo, milionária, e muitos não vão compreender os tesouros que a Igreja tem. Eu conheci muitos dos tesouros da Igreja. Vejo esta riqueza, pego e toco nela. Em muitos olhares vejo diamantes, em muitos corações eu vejo ouro puro, e muitas histórias vejo milhões reservados ao londo de um tempo. Eu já encontrei sim, eu convivo com uma fortuna tão grande que ninguém é capaz de gastar. A IGREJA É MILIONÁRIA SIM!
       Em São Fernando/RN conheci, entre outros tantos tesouros, Dona Severina. Mulher simples, cheia de vida, capaz de amar e sorrir, mesmo diante das dificuldades da vida. Mulher de fé, mulher de Igreja, patrimônio daqueles que a conheceram. Louvo e agradeço ao Senhor por ter conhecido uma mulher tão rica, um baú cheio de pérolas preciosas. Amava sua cidade, sua família, sua Igreja, seus padres. Nunca exigiu nada com voz forte, nunca criou picuinhas, não levantava a voz, mas tinha um olhar de amor tão penetrante que nos fazia ficar encantados por ela. Não esqueço a alegria que vi em sua face quando lhe dei uma simples foto minha. Como pode a foto de um pobre padre ser um presente tão grande para uma pessoa tão rica? Aí está o segredo! Dona Severina era cheia de vida e amava a vida dos seus. Tinha defeitos? É claro! Mas o seu coração era mais forte. Ela nos deixou, foi morar com o Pai do Céu, e nem tive tempo de dizer adeus. Fico com o que aprendi, com o que vivi quando era padre naquela querida comunidade, fico com o abraço que nos demos quando há uns dois meses atrás fui visitá-la.
        E para quem ainda se deixa dominar por outros meios de avaliação e está se perguntando: "será que esta senhora dava presentes ao padre"? Não quero deixá-lo na dúvida, ela não gastou seu dinheiro comigo, e nem com outros, era uma senhora pobre, simples, mas vocês não imaginam quanto vale um sorriso de um coração justo e santo dizendo que você é uma pessoa importante para sua vida. Este presente, que dinheiro nenhum no mundo paga, Dona Severina deu a mim várias vezes, como também a muitos de sua cidade. Obrigado minha querida irmã em Cristo, Deus a conserve em sua paz e até o dia do reencontro. EU NÃO TENHO DÚVIDAS, A IGREJA É RICA, MILIONÁRIA. E eu conheço muito desta fortuna.

Deus nos conduza sempre!
Escreverei outros textos destes.
Pe. Rômulo

terça-feira, 15 de outubro de 2013

POUCAS PALAVRAS, GRANDES ASSUNTOS - 72


      Nós, seres humanos, somos uma das obras mais lindas do universo e de Deus, acredito nisto. Como somos criaturas temos alguns defeitos. Um deles é lamentável; geralmente só permanecemos ao lado ou em contato com outro enquanto colhemos algo disto. Parece que estar com o outro enquanto nos agrada é uma marca em nós, como também uma das mais fortes lutas de nosso processo de maturação e santificação. Acredito que só Deus nos dará a graça de carregarmos em nós um dom que é d'Ele, o amor na gratuidade. Senhor, misericórdia de mim e de todos nós!

Pe. Rômulo

segunda-feira, 7 de outubro de 2013

POUCAS PALAVRAS, GRANDES ASSUNTOS - 71

       
        A gente sofre por muitas realidades. Mas na verdade muitos dos nossos sofrimentos nos vem por falta de uma pessoal e íntima meditação. Quando meditamos encontramos em nós algumas respostas e algumas verdades que nos fazem experimentar a única verdade que realmente importa, a de Deus. Nesta verdade, na de Deus, fomos criados e nela devemos encontrar a nossa força, por mais que seja difícil. Umas das realidades que tenho descoberto estes últimos dias fez-me sofrer, ficar feliz e deu-me paz. Sofrer porque aceitar a verdade as vezes não é tão tranquilo assim, feliz porque, como disse Jesus, a verdade sempre liberta e em paz porque quando encontramos a verdade ela nos faz bem. Mas que verdade é esta? QUE NÃO ADIANTA ESTAMOS DIZENDO O NOSSO PENSAMENTO, A  NOSSA VISÃO SOBRE ALGO QUANDO NÃO TEMOS NINGUÉM PARA OUVIR OU PRESTAR ATENÇÃO. De que servirá a minha opinião se ninguém quer ouvi-la? Para que falar se, não sendo acolhida, não produzirá fruto algum? Certas opiniões devem ficar em nós, nem sempre teremos condições necessárias para partilhar todo o conteúdo que trazemos dentro de nossos corações. Mas se vocês precisa partilhar de qualquer maneira tenho um conselho, se você quiser aceitar, conte-o ao Senhor diante do Sacrário.

Pe. Rômulo

sexta-feira, 4 de outubro de 2013

MENSAGEM DO PÁROCO

Já estamos em festa! Se estamos com o livrinho de cânticos em nossas mãos, é porque a nossa comunidade e Paróquia já lança aos céus seu louvor pelas mãos de Ana, a avó de Jesus Cristo. Como é maravilhoso ver a participação de cada santanense. Não queremos ser melhores do que ninguém, muito menos queremos afirmar que a Igreja Católica faz mais por Santana do que todas as outras. Cada uma tem sua importância e valor. Contudo, não podemos negar que a fé católica faz parte da história de Santana, nesta fé esta comunidade deu os primeiros passos. Não podemos negar que a fé católica traz em si um conteúdo belo de cultura, tradição e suscita em nossos corações um desejo todo especial de vivermos bem uma comunhão com todos e com o Senhor. Uma festa católica destaca não só as pastorais, o padre, os líderes, mas cada cidadão, aqueles que administram, os que fazem as leis, os que cuidam da segurança, as instituições, as famílias, todos. No final, estão de parabéns se tudo der certo. Pois a comunidade é de todos e a Festa da Padroeira, lá fora, tem este cunho. Não é a Festa do padre ou da Paróquia em primeiro lugar; na boca do povo é a Festa de Santana do Seridó. Assim, mais do que muitas, a fé católica leva o nome de nossa cidade e cabe a nós cuidarmos para que este nosso nome continue sendo louvado. E que o Senhor Jesus Cristo, o verdadeiro a ser celebrado, seja louvado mais ainda nos nossos louvores. Tudo é para sua honra e glória.
          Desta forma quero agradecer a todos que estão dedicando-se por esta Festa, estejamos certos de que estamos escrevendo mais uma página na história deste belo município. Sou ciente de que não é fácil realizar trabalhos voluntários. Sei que na percepção de muita gente uma Festa não serve para nada, melhor seria, na visão de criticadores e não críticos sérios, que fizéssemos só trabalhos sociais e caritativos e nada de oração. É verdade que nunca podemos deixar a assistência, mas não há assistência maior do que cuidar da alma do ser humano. Sem o alimento da fé estamos cegos. Uma Festa desta vai trabalhar em nós o amor, a esperança, a capacidade de viver em comunidade, o interagir com o outro, o trabalhar sem buscar lucros para si, o assumir deveres em função de um objetivo comunitário, o reencontro dos ausentes e das famílias, o abraço dos amigos e o chamado ao perdão para os inimigos. Será que uma Festa de Padroeira não é então uma bênção? E nem começamos a detalhar todos os bens que uma Festa poderia nos trazer, como cume de tudo a oportunidade de passarmos onze dias ouvindo solenemente a voz do Nosso Senhor.
          A cultura de hoje quer nos dizer que orar não serve mais, que elevar aos céus nossos louvores não adianta, muitos vão nos criticar por estarmos fazendo esta festa, alguns até ajudam pensando que poderiam empregar seu tempo e dinheiro em algo melhor para a comunidade. De que serve uma Festa de Padroeiro? Será para o padre? Melhor seria fazermos outra coisa não é? A Festa é lugar de encontro, é presença viva do amor de Deus por nós e isto é fonte de cura e milagres. Olhe o que diz o Papa Francisco: “A nossa cultura perdeu a noção desta presença concreta de Deus, da sua ação no mundo; pensamos que Deus se encontra só no além, em outro nível de realidade, separado das nossas relações concretas. Mas, se fosse assim, isto é, se Deus fosse incapaz de agir no mundo, o seu amor não seria verdadeiramente poderoso, verdadeiramente real e, por conseguinte, não seria sequer verdadeiro amor, capaz de cumprir a felicidade que promete. E, então, seria completamente indiferente crer ou não crer n’Ele. Ao contrário, os cristãos confessam o amor concreto e poderoso de Deus, que atua verdadeiramente na história e determina o seu destino final; um amor que se fez passível de encontro, que se revelou em plenitude na paixão, morte e ressurreição de Cristo” (LF, 17)
          OBRIGADO A VOCÊ QUE ESTÁ CONSTRUINDO CONOSCO. DEUS ESTÁ VENDO OS SEUS OBJETIVOS, SUAS CRENÇAS E O SEU CORAÇÃO. SE ESTAMOS TRABALHANDO QUERENDO CONSTRUIR UMA COMUNIDADE MAIS AMADA E AMANTE, ELE ACOLHERÁ TUDO COM UM GRANDE SORRISO. SÓ QUEM TEM UM CORAÇÃO TRABALHADO NA INTELIGÊNCIA E NO AMOR, SABE O VALOR DE UMA FESTA DESTA E SÓ O SENHOR PODERÁ RETRIBUIR. COMO PADRE EU SÓ POSSO DIZER: LOUVADO SEJA DEUS PORQUE ESTAMOS JUNTOS, PORQUE JUNTOS SOMOS A FESTA!


Pe. Rômulo Azevedo da Silva

sexta-feira, 20 de setembro de 2013

POUCAS PALAVRAS, GRANDES ASSUNTOS - 70

      Todo mundo se acha no direito de dizer o que quer da Igreja Católica e da nossa fé.  É cantor ridicularizando as vestimentas de um Papa, são as novelas que só apresentam figuras negativas de religiosos católicos, é a mídia que diz o que pensa e imagina e não podemos dizer nada. Vivem nos acabando e não podemos dizer nada que magoamos ou somos ameaçados de perdermos. Eu já estou cheio de tudo isto. Por que não ridicularizam as outras religiões? Porque temem uma resposta firme ou até uma retalhação. Mas nós católicos podemos ser acabados e ainda acham que é assim mesmo, vamos acabar com a Igreja porque ela só tem coisas ruins... será que é assim? Católicos abram os olhos e comecem a defender a sua Igreja e sua fé. NÃO DEVEMOS ACABAR OU RIDICULARIZAR NENHUMA FÉ, CADA PESSOA TEM O DIREITO DE VIVER A SUA FÉ E SER RESPEITADA. Mas também respeitem a minha.

Pe. Rômulo

segunda-feira, 16 de setembro de 2013

POUCAS PALAVRAS, GRANDES ASSUNTOS - 69


      Quando olhamos para dentro de nós e não vemos mais muitas forças é hora de parar. O silêncio não só é nosso amigo, mas é também um remédio que nos faz descobrir realidades novas dentro de nós e fora. Temos direito de ficar sem forças, cansados ou de não termos o que dizer e fazer as vezes. Como não somos nada mais que homens as imperfeições de todos também estão em nós. Pois é, quando olhamos para dentro e respiramos forte e sentimos que algo está doendo é hora de rever algumas realidades. Não esqueçamos que estamos a caminhos, muitas vezes precisamos mudar metas, descartar propostas e assumir novas perspectivas. Às vezes é preciso sim olharmos com calma como estamos e o que é possível no hoje de nossa história. Contudo não nos assustemos, Deus caminha conosco.

Pe. Rômulo

quinta-feira, 5 de setembro de 2013

POUCAS PALAVRAS, GRANDES ASSUNTOS - 68


      Uma das maiores artes da vida é reescrever-se, fazer do dia a dia uma fábrica de reciclagem, aprender sempre. Muitas vezes sonhamos tanto que não percebemos o que é real. No campo dos relacionamentos sofremos, e sofremos mais ainda quando não encaramos a verdade. Somos quase que obrigados a pedir esmolas de amor, atenção e carinho. No fundo não precisamos e não precisaremos se descobrirmos e nos redescobrirmos no amor de Deus e nos equilibrado amor a nós mesmos. Na amizade por exemplo, se precisamos ficar correndo atrás do aparente amigo ou amiga estamos nos iludindo. É bem verdade que um conversa mais do que o outro, um tem mais tempo do que o outro, um pode ser mais aberto e ter pedagogias de fazer-se presente mais do que o outro. Isto é normal e até salutar, pois amizade é uma troca de dons e defeitos, momentos bons e difíceis, um completa o outro. Contudo se um precisa cobrar carinho e atenção do outro é um sinal. Não há amizade aí, não há amor, talvez só uma admiração que se apagou no tempo. Quando eu lembro do meu amigo ou amiga e sinto o meu coração agradecer e dizer que não se entende sem o outro, mesmo que este esteja distante e que não haja mais tantas palavras, aí sim, uma história se transformou em amor e vida. Mas se lembro de alguém e há aquele desejo de passar na cara que nada ficou, então não há pra que iludir-se, não foi amizade. Aos meus amigos, louvado seja Deus porque vocês fazem parte de minha história.

Pe. Rômulo Azevedo da Silva.

terça-feira, 3 de setembro de 2013

POUCAS PALAVRAS, GRANDES ASSUNTOS - 67

     

       Dizem que pecado não existe mais, que tudo que a Bíblia, ou a Igreja, diz é besteira do passado. Dizem que o mundo mudou. Infelizmente muda a cada dia, muda e se destrói. Olhe aí o verdadeiro pecado! Há momentos que esqueço que sou cristão e não vejo senão o inferno para muitos dos poderosos que fazem as guerras para os pequenos morrerem. Os que roubam e massacram, os que crescem em cima da fome e da miséria dos outros, os que administram e esquecem que o que pegam a mais falta para o resto da humanidade... para estes e neles, às vezes, eu só vejo diabolicidade, a pedagogia do inferno reinando, o pecado, que é negação do amor de Deus. O egoismo e o lucro em cima da destruição é o pior dos demônios que nunca nos deixou. Este precisamos expulsar! Enquanto estamos criando impérios religiosos em busca de poder e lucro, enquanto estamos preocupados com coisas banais, enquanto a mídia, as instituições e grupos estiverem dominados por interesses próprios e mesquinhos, nós caminharemos para o fim. Fiquemos atentos! Enquanto dizemos que não há pecado ele nos destrói.

Pe. Rômulo

sábado, 10 de agosto de 2013

POUCAS PALAVRAS, GRANDES ASSUNTOS - 66


      Há pessoas pedindo tantas coisas ou realidades. Eu só queria coragem... talvez para dar um grito, para dar um basta ou para seguir mais adiante. Não um grito baseado em qualquer grande problema externo, apenas um grito gerado em minhas próprias entranhas e jogar fora sei lá! Talvez as hipocrisias. E livre correr ao encontro do infinito e chegar ao bem que mais quero: a paz! Não, a questão não está nos outros, toda resposta está em nós e por nós mesmos. São as pequenas pedras que tornam o caminho doloroso para os pés, para nossos pés. Eu só queria coragem de dar um grito.

Pe. Rômulo

segunda-feira, 5 de agosto de 2013

POUCAS PALAVRAS, GRANDES ASSUNTOS - 65

         Todo ser humano tem  problemas, dificuldades, dúvidas e momentos de crises. Não há um só ser humano que não os tenha. A questão não é se temos ou não temos problemas, a questão está em como lidar com eles. Perdemos tempo nos perguntando por que isso,  por que aquilo. A resposta é simples, porque não somos Deus, como humanos frágeis e limitados sempre teremos problemas. Faça o que for preciso. Se for hora de correr, corra. Se for hora de enfrentar, enfrente. Se for hora de descansar, descanse. Se for hora de dar um tempo, dê. Muitas realidades podem servir-nos de pedagogias e formas e muitas interpretações podem ser dadas. Só não acolha a primeira resposta pronta e nem estacione. Qualquer caminho, muito pode ser experimentado; muito pode dar certo ou não dar. Mas, pelo amor de Deus, só não desista da sua vida. TODO MUNDO TEM PROBLEMAS, SÓ NÃO DEIXE DE VIVER! Deixar sua vida não vai adiantar em nada, abandonar suas prioridades e passar a viver só os problemas é a maior das mortes, sem esquecer que é bobagem. Dê um grito, faça exercícios, chore, ria, corra, brigue, fuja, mude de estrada, qualquer coisa, menos desistir de viver. DÊ  PRIORIDADE A SUA VIDA, NÃO JOGUE NO LIXO O DOM QUE DEUS LHE DEU COM TANTO AMOR.

Pe. Rômulo 

quinta-feira, 1 de agosto de 2013

PREGAÇÃO DE PE. RÔMULO

Pregação de Pe. Rômulo na Festa de Sant’Ana – Caicó, 07/2013 

A IGREJA É CHAMADA A PARTICIPAR DA ETERNA JUVENTUDE DE CRISTO

Baseada no Documento 85 da CNBB
Sobre a Evangelização da Juventude

Antes de falarmos do jovem ou para o jovem temos que entender um pouco mais sobre o seu coração, seus sonhos e desafios, seus medos e, especialmente, como a cabeça do jovem funciona. Evidentemente não vamos aprofundar psicologia numa pregação; também precisamos dizer que há linhas de pensamentos diferentes. Mas, de um modo comum, o jovem está sempre condicionado e pronto para agir, faz parte do seu ser ter pressa e garra. O jovem tem inteligência, principalmente do mundo de hoje, está cheio de informação e conteúdo. Mas falta a cola da sabedoria do tempo (a experiência de quem já viveu) para unir tudo isto e fazer um todo. Eles entram em contato de uma forma simples com a realidade, não ruminam muito porque desconfiam pouco. Há nos jovens a malícia dos desejos, a malícia do erótico, mas não está formada ainda a malícia do avaliar as dimensões do bem ou do mal (não como em nós adultos).
Os jovens estão abertos e se deixam levar pelo que o impacto da propaganda diz. No que se refere à Igreja, por exemplo, se mostramos uma Igreja como instituição, assim eles a verão. Eles acreditam na difamação que, às vezes, são passadas nas universidades, muitas vezes manchadas por criticadores e não críticos e bebem o que a mídia passa quando diz que a Igreja é contra o progresso humano e da ciência. Eles acreditam, estão no meio do caminho entre a candura da infância e os novos dons e “poderes” do adulto, confusos eles seguem quem fala com mais convicção. E é assim com todo ser humano em qualquer idade.
É preciso apresentar testemunhos para os jovens, os de ontem e os de hoje, não discursos. Alguns deles acreditam que a Igreja é quadra, que casamento não presta mais, que não devem ouvir os mais velhos ou que droga e sexo é algo moderno e que precisa ser feito logo porque dizem isto a eles com exemplos e uma bela propaganda. Um dia estava ouvindo uma palestra de um professor de história e ele acabava com a Igreja, falava sobre a escravidão imposta aos índios na colonização das Américas, como nosso Brasil por exemplo. Realmente muita coisa errada foi feita. A questão é que devemos ensinar o povo a pensar, não impor a nossa visão preconceituosa e ferida. É claro que precisamos mostrar às pessoas e aos jovens o que foi feito de errado, mas tenhamos a coragem de mostrar os dois lados. Outra coisa é saber diferenciar alguns membros da família com o valor da família. Imaginem que você tem 12 irmão e que dois deles roubam um banco, por eles é certo dizer que sua família não vale nada e que seus pais são os piores pais do mundo porque criaram dois ladrões? Pois bem, o professor criticador, e não crítico (que é diferente e positivo), falava dos padres e religiosos que defendiam a  escravidão dos índios, mas não conhecia, por exemplo, Bartolomeu de Las Casas qe também foi religioso e que defendia em tudo os negros e os índios. E já encontrei alguns jovens que ficam com o primeiro frito! Entendem o que estou querendo dizer? Temos que trabalhar fé e razão. É preciso um diálogo na verdade. Mostrar aos jovens que a Igreja é santa, mas marcada por homens pecadores. Há joio e trigo, como bem disse o Senhor, mas o importante é ter consciência de qual lado da história queremos agir.
Vivemos na dinastia do tanto faz, do relativismo, do “o importante é eu ser feliz”. Isto está dentro de todas as instituições e dentro da Igreja. Leigos, sacerdotes, religiosas e seminaristas estão impregnados disto porque é o hoje de muitos homens modernos. Quando falamos dos erros da Igreja, da política, da sociedade, não devemos deixar de nos perguntar que são eles ou ela. Lembro de quando fazia teatro a gente adorava colocar em toda dramatização aquela famosa afirmação: “esta sociedade corrupta”!  Éramos jovens, não entendíamos bem que todo homem e toda mulher pode tornar-se corrupto ou mal. Não estou dizendo que está tudo uma desgraça, não digo que não temos realidades belas, aí está a JMJ para nos dizer que há muito o que celebrar. O que digo é que estamos numa batalha pau a pau e que, mais do que antes, é fundamental apresentar Cristo, o jovem cheio de vida e força que, em tudo, serviu e não esquecer de dizer que isto não é fácil. Olhemos, Ele foi até a cruz. Nestes dias de JMJ estamos cantando muito com Pe. Zezinho: “no peito eu levo uma cruz, no meu coração o que disse Jesus”.
O jovem não terá medo da cruz se for dito o que ele conseguirá com ela. Ele se encantará quando tiver entendido, pois a essência e o desejo do jovem é experimentar algo mais forte do que suas dúvidas e medos. Se apresentarmos drogas, sexo sem responsabilidade, ou qualquer proposta de forma convincente, ele ficará com isto. Se apresentarmos a arte, o esporte e a fé também convincentemente será para ele uma verdade provada e confirmada pelo seu próprio coração. O jovem ficará com aquilo que for mais forte do que suas dúvidas e medos; repito. Se mostrarmos a eles, com prática, que, o que buscam é o amor, eles ficarão com isto até o fim. Mas como convencer que o amor é o que precisam se nós não o entendemos ainda e se o mundo só fala de lucro e benefícios e não de vida plena? E como falar de amor se nossos relacionamentos estão feridos pelo egoísmo e pela propaganda da satisfação do eu? Ser jovem é ter esta força de Deus pulsando em nós, como pulsou em Jesus. Como diz João, Deus é amor. Recuperar a dinastia do amor é o nosso caminho. Lembremos o que diz Jesus em Mt 20, 25-28. “Os grandes querem dominar, que entre vós não seja assim”. É preciso mostrar amor servindo, mergulhado no amor; isto é o que precisam ver os jovens.
Nós que hoje ficamos na Igreja, ficamos porque encontramos algo maior que nossas dúvidas e medos, o encontro com o Cristo na vida do outro. Ninguém permaneceu na Igreja porque se encantou com a arrumação da sacristia, nem com a redação dos documentos da secretaria paroquial. Ficamos na Igreja porque nos encontramos com tantos testemunhos. Lembro-me muito de minha do serviço de minha mãe, de pessoas como Mons. Ernesto, leigos e leigas de Jardim, religiosas que fizeram e fazem parte de  minha história. Como sou grato por tantos testemunhos!

É importante falar e mostrar que a Igreja é lugar onde o Espírito Santo de Deus transforma os que querem em novos Cristos. Ela perpetua a força daquele que só era amor, respeito, carinho, resistência, revolução, agitação, questionador, questionamento (no bom sentido), perdão, paixão e mais. Estes são ou não os valores que marcam o temperamento de todo jovem? É ou não o que eles procuram e o que nós procurávamos? Jovem, a força do seu coração é Cristo, que você pronuncie ou não este nome. Dizer isto de forma prática é evangelizar, é a nossa missão como foi a de Cristo. Depois disto, uma vez evangelizados, nenhum jovem deixará o Senhor.

segunda-feira, 29 de julho de 2013

POUCAS PALAVRAS, GRANDES ASSUNTOS - 64

   Algumas vezes eu olho para dentro dos olhos de alguns idosos e vejo o desejo de quem quer ser abraçado. É por isto que procuro, tantas vezes, abraçar, cheirar e beijar tantos cabeços brancos. Mas o mais mágico é que, depois de tocá-los, percebo que seus olhos brilhantes não são um grito de desespero de um carente qualquer, mas o chamado de quem tem uma força para partilhar. No final eu é que sou abraçado, acolhido e restaurado no toque de tantos idosos. Uma das coisas lindas na minha vida de sacerdote é conviver com quem já viveu.

Pe. Rômulo

POUCAS PALAVRAS, GRANDES ASSUNTOS - 63

       Todo líder religioso é importante para o mundo, desde que pregue Deus e não seus próprios desejos, desde que fale de amor e não de ódio e desde que produza respeito e não perseguição. Papa, bispos, padres, pastores, missionários das mais variadas expressões de fé, todos somos chamados a construir pessoas que saibam se ajudar. Mas infelizmente construímos, às vezes, mais um palco de guerra do que um céu de fraternidade.

Pe. Rômulo

domingo, 28 de julho de 2013

POUCAS PALAVRAS, GRANDES ASSUNTOS - 62

        O que eu acho engraçado, e não posso mais calar-me, é que todo mundo pode ter suas leis, ideias, costumes, normas, doutrina... todo homem tem. Pergunte a qualquer sábio, a qualquer cientista ou a qualquer filósofo. Até aquele que diz não ter regras, não seguir doutrinas ou não ter religião, faz disso a sua regra e sua religião. Dalai Lama quando diz como devem viver os seus budistas todo mundo aplaude, Chico Xavier quando falava do espiritismo todo mundo se encantava, e estão certos, um é um homem belo e o outro era um homem iluminado. Mas quando o Papa e a Igreja diz o que pensa o mundo bem abaixo. Por que será? Há sim uma perseguição. Será que até o satanista tem o direito de seguir o diabo com radicalidade e nós não? Não queremos impor nada a ninguém, não estamos obrigando a você ser cristão e muito menos católico. Mas eu e estes mais de três milhões de pessoas temos os mesmo direitos de você. E como eu não estou dizendo que você que não gosta é um safado, vagabundo ou um perdido, também não diga que eu sou ou que os que estão na JMJ são. Tenha santa paciência! 

Pe. Rômulo

sexta-feira, 19 de julho de 2013

POUCAS PALAVRAS, GRANDES ASSUNTOS - 61


       Não basta sairmos de casa e dizermos às pessoas que vamos trabalhar na vinha do Senhor. É mais do que necessário ser como Jesus antes de tudo. Devemos estar numa comunhão tão bonita com Ele; estar tão íntimos que nos tornemos  capazes de ter os seus sentimentos. Tudo o que fazemos não é mais bonito porque, às vezes, seguimos os nossos projetos e desejos, não os do Senhor. Vejo em nossa Igreja, e nas outras também, muita competição. Seria belo se o nosso desejo fosse apenas seguir os passos de Jesus e não só os nossos. Para trabalhar na vinha do Senhor é fundamental tomar consciência de que quem administra é Ele, devemos nos sentir felizes por poder contribuir, jamais mandar. Está tudo no Evangelho, é a regra e o  projeto que precisamos seguir. Um dia eu vou ser fiel a tudo que Ele quer, deixar morrer mais e mais o que pretendo e fazer viver o que Cristo veio fazer. Eis a minha esperança.

Pe. Rômulo

quarta-feira, 17 de julho de 2013

PONTO DE VISTA


        Chegando ontem do "Lual Jovem" liguei a TV enquanto o sono chegava, como dizemos no popular. Estava sendo apresentado pela Rede Globo a novela "Saramandaia" (diga-se que é muito boa). A mídia, Globo e demais, faz um grande bem à democracia e nos ajuda na medida que nos deixa informados de tudo que está acontecendo. Não quero condenar a Globo pelo que escutei, estão fazendo o papel deles. É bom lembrarmos que a Globo é uma empresa, seu objetivo, além de outros, é vender, encantar e manter seus clientes atentos. Como uma instituição que vive num mundo marcado pelo mercado, pelo lucro e competitivo, ela tem que agradar, fazer bem feito. E faz, é bem verdade! Não nego que a Globo tem seu papel muito importante no Brasil. Contudo, nós cristãos, temos que estarmos atentos a tudo que nos é oferecido.
      O mundo de hoje está cheio de polêmicas, novos conceitos, e estilos de vida nos são oferecidos suavemente sem que percebamos o problema que tudo vai causar. Não sou contra nada e nem ninguém. Tento ser seguidor de Cristo Jesus que, acima de tudo, amava, restaurava, respeitava e tinha compaixão. Mas Cristo também chamava à conversão. Como cristãos não podemos condenar o mundo, o mandamento que devemos viver é o amor, o perdão, até para os nossos inimigos. O que temos que perceber é que, quando a mídia nos oferece um novo estilo de vida, não nos diz o que devemos fazer depois quando as coisas derem errado. Vejo na mídia até um incentivo para sermos do jeito que queremos e pensamos, a realidade é mostrada como se fosse uma virtude, algo próprio de todos. E não só isto, às vezes até se força a barra para sermos do jeito da moda, somos empurrados a aceitarmos os modelos de hoje. Um dos objetivos é consumir. A questão é que vejo muita gente tentado seguir modernidades que não cabiam dentro de si. Há seres humanos feridos, rasgados por dentro, eles se encantam com a propaganda, querem ser modernos mas no fundo não estavam prontos para assumirem as consequências do novo jeito. Tenho falado com muitos destes corações, tento ter misericórdia, sinto suas dores, e muitas vezes não há muito o que fazer. Vejamos esta imagem, eu dou a outro um avião, faço uma propaganda sobre o gozo e a adrenalina que é chegar ao mais alto céu, contudo não penso que, não estando preparado e não sendo um piloto, aquela pessoa vai, no mínimo, sofrer um grande desastre. O que estamos fazendo meu Deus?
      Bom, ontem duas personagens estavam conversando sobre o aborto e a propaganda era a mesma. Eis a mensagem que se passa: "a mulher é dona do ser corpo, ela tem o direito de decidir o que fazer com o seu corpo, se não quer a criança tem o direito de tirar". É verdade que o corpo é da mulher e ela pode fazer o que desejar, ninguém nega isto. Mas um filho é um outro ser, uma nova vida, não é mais continuidade do seu corpo. O espermatozoide e o óvulo são dele e dela, unidos é um novo ser, não é mais parte do corpo dele ou dela, apenas se protege ali como um pássaro vive e se alimenta de uma árvore e seus frutos, mas ele não é a árvore e esta não é o pássaro.
     Olhe, procuro ser aberto e dialogo sobre muitas realidades. Não sou contra o amor, nem o sexo e muito menos vejo maldade ou sinto nojo do corpo humano e de suas dimensões. Mas ABORTO NÃO, é demais para mim e para o meu espírito. Tenho este direito, sei que elas também tem o direito de abortar, como muitas fazem. Só me pergunto se um cristão que entendeu Jesus pode achar isso certo. Insisto, um cristão pode concordar com tudo que a moda nos oferece? Cada um tira suas conclusões. Deus nos conduza sempre!

Pe. Rômulo Azevedo da Silva 

quarta-feira, 10 de julho de 2013

POUCAS PALAVRAS, GRANDES ASSUNTOS - 60

     Como a vida é uma jornada vamos sempre dar de frente com realidades com as quais não sabemos lidar. Alguma respostas não encontraremos, algumas soluções não existem e nem sempre saberemos como lidar com questões imediatas. Assim é a vida! Não é isto também uma resposta ou uma solução. O que é bom saber é que nada no mundo é inteiro, somente Deus. Sempre nos encontraremos com situações que precisam ser curadas no amor do Criador. Há, porém, o que contemplar, o Belo nos chama para um encontro que nos restaura.


Pe. Rômulo

sexta-feira, 28 de junho de 2013

POUCAS PALAVRAS, GRANDES ASSUNTOS - 59

     
     Nossos políticos agora vão colocar toda a culpa na reforma política. Cada um que queira fazer um pronunciamento mais bonito do que o outro. Sei que há gente boa e digna em todos os lugares e instituições. O que me pergunto, e se esta é a pergunta que devemos nos fazer, é se vai adiantar uma reforma política feita por grupos manchados pela corrupção. A questão maior é a corrupção, creio, é o egoismo humano que o leva sempre a querer ganhar em cima do outro. Todas as nossas instituições, família, igrejas, governos e outras, estão sofrendo desgastes por conta da ação de homens e mulheres que precisam de algo muito simples: conversão. Jesus tinha razão, toda a mudança vem de dentro. Enquanto não tratarmos o mal pela raiz não teremos um mundo melhor, uma política melhor ou líderes melhores. CHEGA DE CORRUPÇÃO, QUEREMOS PESSOAS DIGNAS PARA CUIDAR DO QUE É DE TODOS! Esta é a questão. Não adiante colocarmos pessoas que só querem ganhar, precisamos de pessoas que se doem com amor para administrar, cuidar ou educar. Nisto tudo há grupos poderosos tramando, um sempre quer tirar o outro, tomar conta do império e continuar fazendo as mesmas coisas. Foi ou não a luta de Jesus com alguns de seus conterrâneos? Eles queriam tirar o Império Romado do trono e colocar Israel, queriam ter e fazer o que o Império Romano tinha e fazia, o objetivo de muitos era fazer de Israel um novo império. Jesus foi contra e sempre falava de respeito, amor e paz e desejava uma mudança total que acontece quando percebemos que Deus é Pai de todos e todos somos herdeiros. TODOS TEMOS OS MESMOS DIREITOS.

Pe. Rômulo Azevedo da Silva

terça-feira, 25 de junho de 2013

POUCAS PALAVRAS, GRANDES ASSUNTOS - 58

     Sabe qual é uma das coisas que acho engraçado e que ainda tiram-me o chão? A nossa hipocrisia diária, as contradições destrutivas da pessoa humana. É bem verdade, somos contraditórios e sempre vamos ser. Contudo, quando isto nos destrói, e quando é algo que pode ser resolvido com a coragem de uma decisão firme, é ridículo colocar culpa na condição humana. Muitos vezes somos nós que não queremos mudar certas realidades. Um exemplo: tenho visto as bebidas e drogas destruindo as famílias e nossos sonhos, mas quando trazemos uma proposta de purificação de nossas práticas e festas somos criticados. Festa religiosa deve promover santidade, jamais a depravação. Seria acender uma vela para Deus e outra para o diabo. Mas isto já estamos acostumados a fazer. Deus tenha misericórdia de nós!

Pe. Rômulo

sábado, 22 de junho de 2013

POUCAS PALAVRAS, GRANDES ASSUNTOS - 57

       
     O tempo passa, e feliz daquele que o aproveita para ficar mais maduro, crescer, aprender. Um dos maiores mestres que já encontrei, a quem estou entregando-me nestes últimos tempos, é o silêncio. É nesta cátedra que desejo receber o diploma da serenidade. Não, nem tudo podemos resolver. Nesta guerra de luzes e trevas nos desgastamos muitas vezes. Sinto-me ferido, de um lado as corrupções humanas, de outro o resto de esperança que nos acalenta. O que fazer? Anjos e Demônios estão em todos os lugares, até dentro de nós, quanto mais dentro de nossas instituições! O silêncio é um amigo, não um silêncio de covardia, mas um silêncio de vigília. Lutarei para as trevas não ganharem a batalha em mim.


Pe. Rômulo

quinta-feira, 13 de junho de 2013

POUCAS PALAVRAS, GRANDES ASSUNTOS - 56

   
     Em poucas palavras podemos tratar de grandes assuntos. Poucas palavras ajudam a pensar, podem indicar respeito e responsabilidade. Com poucas palavras posso fomentar um positivo diálogo. Muitas palavras, às vezes, podem ser uma tentativa de impor pelo grito. Sei que isto não é doutrina, muito menos estou criando novos dogmas. Só quero dizer que, cada vez mais, acredito nas pequenas realidades, nas mensagens simples, nas diversas, fortes e poderosas palavras que nos chegam em pequenos sinais. Fui pregar em uma paróquia estes dias, na hora da comunhão uma idosa olhou no fundo dos meus olhos e, após ter colocado a Eucaristia na boca, ela apertou com suas mãos as minhas. Nossas mãos abraçaram a âmbula e eu senti o toque daquele coração em meus olhos e em minhas mãos. Até agora não esqueci! Entendi a experiência que Jesus teve com aquela mulher que estava doente e quando disse: "alguém me tocou". Foi assim que me senti, uma criança sendo tocada. Amém!

Pe. Rômulo

quinta-feira, 6 de junho de 2013

POUCAS PALAVRAS, GRANDES ASSUNTOS - 55

   
Quanto mais experimento palavras mais percebo que o principal da existência não é conceituar, discutir ou avaliar. O principal é simplesmente viver. Muitas vezes nos perdemos em muitas palavras e opiniões. Ainda não sou tão velho para cuspir o direito à sabedoria, mas esta também depende do coração. Assim posso dizer algo, e, rogo, não veja como mais uma explicação... aqueles que vivem de pronunciar jeitos e modelos não estão preocupados se estamos bem ou não. Muitos dos que apresentam uma ideia sistemática para tudo não vão chorar quando nós tivermos deixado de viver bem. Pois viva bem, veja se o seu viver não está tirando os direitos dos outros, não esqueça da regra maior "amai-vos uns aos outros" e VIVA BEM. O sol já está brilhando novamente para nos dizer que o universo, Criação de Deus, pisca os olhos para namorar conosco.

Pe. Rômulo

quarta-feira, 8 de maio de 2013

POUCAS PALAVRAS, GRANDES ASSUNTOS - 54

       Vejo muitas pessoas ficarem comovidas quando a televisão nos mostra os estados de guerra que vários lugares do mundo enfrentam. Realmente é triste ver tantos desabrigados passando fome, perdendo seus familiares e direitos. Até hoje fico assustado quando vejo um filme que trata, por exemplo, da segunda guerra mundial. Como a guerra é triste e ridícula! Mas há também a guerra sem sangue, esta vivemos em vários lugares e instituições como nossas famílias, religiões e  outros. Tenho dito que ser bom não é uma opção, mais do que isto, é a única saída que temos. E bondade é prática, é opinar pelo bem e pela paz. PRECISAMOS DE PAZ MAS ESTAMOS EM GUERRA! No meio de nós uma guerra sem sangue, mas que, infelizmente, tem provocado tanta dor, lágrimas, feridas, perdas e divisões, quanto as outras guerras com armas de metal e fogo. Nesta guerra, sem sangue, que aqui vivemos, as armas somos nós mesmos e tudo que podemos encontrar ao nosso redor. A pólvora está sendo nossos corações sem santidade. O mundo está, a passos largos, caminhando para a auto destruição. Deus tenha misericórdia de nós.

Pe. Rômulo Azevedo da Silva

quarta-feira, 1 de maio de 2013

POUCAS PALAVRAS, GRANDES ASSUNTOS - 53

    Sempre fiquei maravilhado com os contos de fadas, as histórias que os mais velhos contavam, com os romances e fábulas épicas, mágicas, etc. Ficava e fico pensando quão grande é a criatividade e capacidade de uma mente e coração que constroem verdadeiros mundos para nos distrair, encantar e questionar. Hoje, um pouco mais maduro, vejo que eles beberam de, pelo menos duas fontes inesgotáveis, seus próprios mundos interiores e o mundo espetacular de Deus. Penso que são as duas fontes maiores de inspiração. Recordando muitas fábulas percebemos que o homem sempre dialogou com seu próprio medo, sonhos e fantasias. Quantas vezes não temos que enfrentar a floresta escura e duelar com os monstros na esperança de ver novamente o sol? Em nós mesmos vivemos tantos contos, tantas fábulas... que acreditemos sempre no "foram felizes".

Deus nos conduza sempre!
Pe. Rômulo

sábado, 27 de abril de 2013

POUCAS PALAVRAS, GRANDES ASSUNTOS - 52

     Fazemos de tudo na vida para nos livrarmos da dor e do sofrimento. Mas eles fazem parte do nosso caminhar humano. Ela sempre bate à nossa porta, algumas vezes até sem motivos fortes. Viver é sempre uma jornada por mundos misteriosos, desafiantes, belos e habitados por trevas. Estes estão dentro de nós. A dor talvez seja um pesar... todos os mudos, no fundo, são feitos dos mesmos materiais. Sentimos o encontro do chão com os pés e, em estradas difíceis, a dor. Mas é preciso continuar, mesmo que doa.

Deus nos conduza sempre!
Pe. Rômulo Azevedo da Silva

sexta-feira, 26 de abril de 2013

AS PALAVRAS QUE MAIS PRECISAMOS ESTÃO EM NÓS E NO AMOR DE DEUS

       
       Encontrei em minha agenda (Diário 2013 da editora Vozes) uma frase de Platão: "Aquele que tudo compreende tudo perdoa". Quando encontramos uma frase de um filósofo, como é o caso, logo ficamos admirados. Nas escolas, faculdades e demais instituições de ensino, os filósofos são apresentados como o início do saber científico. Realmente devemos muito a estes homens e mulheres que, antes de nós, fizeram um caminho e nos deixaram um patrimônio tão rico e grande que ainda não conseguimos entender bem. Seria um verdadeiro desastre construir conhecimento sem um olhar no hoje e nas linhas passadas destes homens e mulheres, pensadores e mestres para nossa jornada. Tenho visto que, quando descobrimos algo de um pensador estrangeiro, especialmente os filósofos gregos, quase entramos em gozo intelectual, parece que descobrimos novamente a roda. E olhe que sei a importância deles! 
       A questão é que temos em nosso país pensadores tão espetaculares quantos estes do passado. Damos muito valor ao que é de fora e desconhecemos todo o patrimônio nativo. O que construímos passa despercebido ou não tem valor algum para os olhos dos mais desatentos. Não podemos deixar a literatura estrangeira, contudo deveríamos, antes, darmos uma olhada na nossa história, nossas tradições, costumes, pois só quem conhece a nossa cultura, nossa terra e nossa gente é capaz de pensar, agir e construir como nós. Não estamos dizendo que todos devem construir só como nós, estamos dizendo que só poderemos enriquecer nosso conhecimento se tivermos consciência de que temos um conhecimento, não é verdade? E este deve ser e ter a nossa cara.
       Platão está certo, quanto mais tivermos conhecimento, quanto mais tomarmos ciência das realidades pessoais, universais e interpessoais, mais teremos capacidade de julgar bem. Só assim veremos a nós mesmos, aos outros e ao mundo com esperança e positividade. O perdão vem do fato de nos conhecermos bem e conhecermos bem o outro. Alguém já disse antes que "só se ama aquilo que se conhece". Pois bem, o perdão vem do amor e o amor vem de um puro conhecimento. Quanto mais eu conheço as luzes e trevas do universo e do ser humano mais preencho-me de compaixão. Para esta missão, antes de lermos o que escreveram os filósofos antigos e atuais, devemos aprender a ler o nosso próprio coração, ler as vidar que estão caminhando conosco, prestar atenção ao hoje de nossos sonhos, desejos e fracassos. O que foi escrito não terá nenhuma valia se não for para iluminar um hoje, um agora de gente concreta feita de carne e osso. 
       Não poderia de esquecer de falar de alguém mais do que especial, Jesus Cristo. Como homem histórico foi estrangeiro, mas como Deus é universal, é nosso, é de todos, está em nós e caminha conosco. Não é nem do passado e nem do futuro, é um "Eu Sou Aquele que Sou" (como disse a Moisés na experiência da Sarça Ardente) para sempre, já que Ele e o Pai são um só. Mesmo nós cristãos, às vezes, damos tanto valor ao que escreveu Platão, Aristóteles, Max, Freud e outros e não valorizamos o que nos diz aquele que nos conhece mais do que nós mesmos. Pois digo uma coisa, e não desejo impor minha palavra, aquele que gostou desta frase de Platão, como eu, encontrará em Jesus Cristo a fonte e um lugar privilegiado para conhecer e perdoar. O que ele disse está aí no meio de nós. Não vou destacar nenhuma passagem bíblica em especial, encontraremos na Bíblia todo o patrimônio, toda a sua Palavra, o discurso completo de auto doação daquele que nos ama porque é, Ele mesmo, o AMOR PLENO. Pegue sua Bíblia, você descobrirá uma jornada que vai mudar a sua vida. Jesus vai nos ensinar algo fundamental, que as palavras que mais precisamos estão em nós e no amor de Deus. Deus nos conduza sempre!

Pe. Rômulo Azevedo da Silva